5 de março de 2010

A centésima divagação

A incerteza poderia me desesperar, mas ela me animava a descobrir o incerto, eterno mutante.

***

Eu digo que vou morrer com 120 anos. E vou, a incerteza me dá provas de que tudo pode acontecer. Mas tem vezes que me pego a pensar se falo isso para justificar minha preguiça do fazer hoje, já que tenho 89 anos à minha frente. O que imagino que faria no futuro? Eu me atrasaria 15 minutos, incertamente, para manter a minha infâmia. Também daria um beijo no meu amor, logo cedinho, e desejaria um bom-dia, bom trabalho e declararia meu amor. Porque meu amor vai viver até os 122, tenho a incerteza. Tomaria muitas xícaras de café, incertamente. O estômago e o café são companheiros, não inimigos. [foram feitos um para o outro.] Bateria muito papo furado, falaria bem dos outros, falaria mal dos outros, me culparia pelo último fato e prometeria me calar mais. Arrumaria a cama, escovaria os dentes[5 vezes] e tomaria banho [2 vezes]. Se eu pudesse, desinventaria o computador. Com todas as minhas forças, o destruiria até ele virar pó e sumir no espaço. Eu deixaria para lavar o carro num dia melhor, porque não há dia melhor para lavar o carro. Eu trabalharia menos do que gostaria e leria mais do que poderia. A televisão me tiraria algumas horas de leitura, porque a televisão me ensina. Eu também tentaria adivinhar quem está ligando antes de atender o telefone. Quase sempre acerto e me acho meio bruxa por isso. [a verdade é que poucas pessoas me ligam.] Eu ouviria a rádio Eldorado para descobrir um músico e uma música novos. Café da manhã, almoço, jantar e uns beliscões no meio-tempo, sagrados. Eu viraria japonesiana, com uma alimentação oriental rigorosa. Mas o pão ainda seria alimento essencial e sagrado. O exercício físico seria ainda mais esporádico com o passar do tempo. Eu andaria de bicicleta no fim de semana, como fazia com meus 12 anos. O cinema, o contato com os amigos, as preparações na cozinha, os elogios, tudo seria mais constante.

Mas a muito menos de 89 anos nenhum olhar de hoje será o mesmo. Não haverá ao meu redor as pessoas que vejo hoje, as memórias que vejo hoje, a paisagem que vejo hoje. Nenhum ver pode ser melhor vervido que o de hoje, por mais clichê, repetido e pouco interiorizado que seja. Heloisa Helena de Almeida Beraldo Assis, viveu bem e com muita sorte seus 31 anos, 2 meses, 27 dias e 1 hora exata. Amanhã voltará a vervida com a sorte e a incerteza dos seus 31 anos, 2 meses, 28 dias e algumas horas inexatas, pois vai acordar mais tarde, sem despertador.

***

Centésimo post, viva!
Obrigada - sempre - pelos comentários!
Agora que o ano já está passando ainda mais rápido, feliz 2010!

6 comentários:

Sílvia disse...

Helô! Que bom que está de volta... é sempre muito bom "ouvi-la".
Saudades, querida! bjão

Helô Beraldo disse...

Síl, que bom te "ver" por aqui! Precisamos nos ver sem as aspas, estou com saudades também!
Bjs!

Angela Cristina disse...

Querida irmã!
Incertezas à parte, vamos viver firmemente bem esta vida, que mesmo que vivamos 120 anos ou mais, ainda será curta! Sendo esta vida única ( mesmo que haja outras encarnações, outras vidas)que esta seja, na medida do possível, bem vivida junto aos nossos parentes, amigos e pessoas que convivemos diariamente! Que bom que estamos mais perto uma da outra!
Beijão
Angê

[Daniel John Furuno] disse...

Hello, Helô! Espero que, na parte das certezas, também estejam mais outras centenas de posts :-) Beijo

Helô Beraldo disse...

Ange: Que lindo seu comentário! Adorei! :o)

John:!!! Puxa, que legal que você passa por aqui! Sempre passo pelo seu blog, acabo conhecendo um músico e uma música novos e acabo virando fã! Obrigada pelas apresentações, pelos comentários e pelos seus textos cheio de poesia!

Angela disse...

OBRIGADA Helô!!
Seus textos me fazem refletir...e muito!
Beijão!
Ange